Como a indústria do açúcar jogou toda a culpa para a gordura - Amigas Low Carb

Que o açúcar não faz nada bem para a nossa saúde, nós já sabemos não é mesmo?

Os malefícios do açúcar em nosso organismo estão associados ao excesso de glicose. O corpo utiliza esse carboidrato para estocar energia na forma de gordura de maneira eficiente, indispensável para seu funcionamento. Mas os problemas começam quando essa gordura se acumula no organismo e causa doenças cardiovasculares, diabetes e hipertensão arterial, entre outras.

Recentemente foi publicada uma reportagem no jornal The New York Times onde a indústria de açúcar dos EUA pagou cientistas para que minimizassem a conexão entre açúcar e doenças cardíacas, e para que promovessem a gordura saturada como responsável por esse problema. Isso é o que mostram os documentos históricos que foram divulgados no jornal The New York Times.

Em um comunicado respondendo ao artigo do JAMA, a Sugar Association disse que a revisão de 1967 foi publicada em uma época em que as revistas médicas geralmente não exigiam que pesquisadores divulgassem a fonte de financiamento ou potenciais conflitos financeiros. O New England Journal of Medicine passou a exigir divulgações financeiras somente a partir de 1984.

A indústria “deveria ter exercido uma maior transparência em todas as suas atividades de pesquisa”, disse o comunicado da Sugar Association. Mesmo assim, defende a pesquisa financiada pela indústria como tendo desempenhando um importante e informativo papel no debate científico. Diz que várias décadas de pesquisa concluíram que o açúcar “não tem um papel singular na doença cardíaca.”

A associação também questionou os motivos por trás do novo artigo.

“O mais preocupante é o crescente uso de reportagens com títulos-chamarizes para derrubar a qualidade da pesquisa científica”, disse a organização. “Estamos decepcionados ao ver um jornal da estatura do JAMA sendo arrastado para esta tendência.”

Mas mesmo que o tráfico de influência revelado nos documentos remonte quase 50 anos, as revelações são importantes porque o debate sobre os danos relativos de açúcar e gordura saturada continua até hoje, disse o Dr. Glantz. Por muitas décadas, as autoridades de saúde encorajaram os americanos a melhorar a sua saúde reduzindo a sua ingestão de gordura, o que levou muitas pessoas a consumir alimentos com baixo teor de gordura e ricos em açúcar, o que alguns especialistas agora culpam por alimentar a crise da obesidade.

“Foi uma coisa muito inteligente o que a indústria de açúcar fez, porque artigos de revisão, especialmente se você conseguir publicá-los em uma revista muito proeminente, tendem a moldar a discussão científica global”, disse ele.

Dr. Hegsted usou sua pesquisa para influenciar as recomendações dietéticas do governo, que enfatizavam a gordura saturada como um causador de doença cardíaca enquanto, em grande parte, caracterizava o açúcar como calorias vazias, ligado às cáries dentárias. Hoje, os avisos de gordura saturada permanecem com um fundamento das recomendações nutricionais do governo, embora nos últimos anos a American Heart Association, a Organização Mundial de Saúde e outras autoridades de saúde também começaram a avisar que muito açúcar adicionado poderia aumentar o risco de doença cardiovascular.

Marion Nestle, uma professora de nutrição, estudos alimentares e saúde pública da Universidade de Nova York, escreveu um editorial que acompanha o novo artigo que disse que os documentos fornecem “evidência convincente” de que a indústria açucareira iniciou a pesquisa “expressamente para exonerar o açúcar como um importante fator de risco para doença coronariana.”

“Eu acho chocante”, disse ela. “Você nunca vê exemplos assim tão gritantes. A quantia de dinheiro que eles receberam para fazer isso é impressionante.”

A Dra. Nestle comentou que os esforços da indústria de alimentos em moldar a ciência da nutrição continuam até hoje.

No ano passado, um artigo no The New York Times revelou que a Coca-Cola, o maior produtor mundial de bebidas açucaradas, havia fornecido milhões de dólares em financiamento para pesquisadores que buscavam minimizar a ligação entre obesidade e bebidas açucaradas. Em junho, a Associated Press relatou que os fabricantes de doces estavam financiando estudos que alegavam que crianças que comem doces tendem a pesar menos que aquelas que não.

O artigo do JAMA foi embasado em milhares de páginas de correspondência e outros documentos que Cristin E. Kearns, um fellow pós-doutorado da UCSF, descobriu nos arquivos em Harvard, na Universidade de Illinois e em outras bibliotecas.

Os documentos mostram que, em 1964, John Hickson, um alto executivo da indústria açucareira, discutiu um plano com outros da indústria para mudar a opinião pública “através de nossos programas legislativos e de pesquisa e informação.”

Àquela época, estudos começavam a apontar uma relação entre dietas ricas em açúcar e as altas taxas de doença cardíaca de um país. Ao mesmo tempo, outros cientistas, incluindo o proeminente fisiologista de Minnesota Ancel Keys, estavam investigando uma teoria concorrente, onde a gordura saturada e o colesterol da dieta apresentavam o maior risco de doença cardíaca.

O Sr. Hickson propôs-se a combater as conclusões alarmantes sobre o açúcar com pesquisas financiadas pela indústria. “Então poderemos publicar os dados e refutar nossos detratores”, escreveu.

Em 1965, o Sr. Hickson recorreu aos pesquisadores de Harvard para escrever uma revisão que iria desmascarar os estudos anti-açúcar. Ele lhes pagou um total de US$ 6.500 — o equivalente a atuais R$ 160.000. O Sr. Hickson selecionou os artigos para eles revisarem e deixou claro que ele queria que o resultado favorecesse o açúcar.

O Dr. Hegsted de Harvard tranquilizou os executivos do açúcar. “Estamos bem cientes do seu particular interesse”, escreveu ele, “e vamos cobrir isso tão bem quanto pudermos.”

Enquanto trabalhavam em sua revisão, os pesquisadores de Harvard compartilhavam e discutiam os primeiros esboços com o executivo açucareiro, que respondia estar satisfeito com o que estavam escrevendo. Os cientistas de Harvard desprezavam os dados sobre o açúcar como fracos e deram muito mais credibilidade aos dados implicando a gordura saturada.

“Garanto-lhe que isso é o que tínhamos em mente, e estamos ansiosos para vê-lo publicado”, escreveu o Sr. Hickson.

Depois que a revisão foi publicada, o debate sobre o açúcar e as doenças cardíacas se extinguiu, enquanto as dietas de baixa gordura ganharam o apoio de muitas autoridades sanitárias, disse o Dr. Glantz.

“Pelos padrões de hoje, eles se comportaram muito mal”, disse ele.

© 2016 The New York Times Company.

O conteúdo que você selecionou para salvar (que pode incluir vídeos, artigos, imagens e outros materiais protegidos por direitos autorais) destina-se para seu uso pessoal, não comercial. Tal conteúdo é de propriedade da ou controlado pela The New York Times Company ou da parte creditada como provedora de conteúdo. Por favor consulte nytimes.com e os Termos de Serviço disponíveois em seu site para obter informações e restrições relacionadas ao conteúdo.

 

 

 

 

 

 

Veja Também

sem-titulo-5

Seu livro chegará dentro de instantes via E-Mail!